20 March 2018

A IMPORTÂNCIA DE TIRAR O PLANEJAMENTO DO PAPEL

Em qualquer época e em qualquer lugar as empresas sempre são afetadas pelas forças competitivas e muitas vezes esta força são concorrentes globais que entram nos mercados locais, deixando a sobrevivência das empresas cada vez mais difícil.  

 Uma alternativa, que surgiu há alguns anos no Mundo e no Brasil, principalmente para as micro e pequenas empresas é a possibilidade destas empresas passarem a cooperar entre si, trocar informações e estabelecer estratégias em conjunto para garantir maior e melhor competitividade, em um formato de Rede ou Central de Negócios.

Através da união das empresas conseguem enfrentar estas forças competitivas. Atualmente temos vários exemplos pelo Brasil, principalmente no interior dos estados em que estas Redes tem gerado vários negócios e obtido bons ganhos e ameaçado estes concorrentes globais.

O sucesso das Redes ou Centrais de Negócios depende muito do planejamento estratégico inicial e das lideranças ou gestores, que fazem o planejamento sair do papel. Lembrando que a estratégia necessita oferecer suporte para a concretização das decisões tomadas coletivamente.

Com o passar do tempo, com o crescimento e a maturidade da rede, os desafios impostos aos gestores, tornam-se cada vez mais complexos. Mas mesmo nesta fase de maturidade, estas Redes muitas vezes têm que parar para refletir como está sendo o desenvolvimento e quais são os resultados obtidos e neste momento surgem alguns questionamentos:

·               Os gestores estão conduzindo a rede ou central de negócios aos objetivos que foram traçados ?

·               A obtenção de novos ganhos será possível?

·               Os gestores estão preparados para lidar com o futuro crescimento da rede?

·               O que precisa ser melhorado na gestão da rede?

 

O ponto de partida para se poder responder estes questionamentos é analisar o planejamento estratégico e validar com as ações e resultados realizados, deste modo podemos verificar se os gestores possibilitaram ganhos a rede. Um outro fator que é importante a ser avaliado é a forma da Governança, pois ela deve ser regulada por contratos formais, como o contrato social, código de ética e regras internas. Esses termos legais estabelecem as normas e regras para as funcionalidades e o comportamento dos integrantes da rede incluindo sanções aos que desrespeitam as regras.

Um outro fator que auxilia no crescimento e desenvolvimento de uma rede, é a possibilidade da contratação de um equipe, mas que tenha uma autonomia razoável para tomar as decisões de acordo com as regras internas. Os líderes precisam montar práticas de gestão cooperativas para garantir a participação dos integrantes e incentivar a colaboração, principamente em redes com mais de 50 associados ou que estão distantes geograficamente. Uma solução são as reuniões itinerantes, por região, desta forma é possível manter a participação de todos e principalmente fomentar a comunicação entre todos, mesmo assim deve se manter as assembléias gerais com menos frequencias.

Com relação a preparação para o futuro, tem que se analisar as lideranças, a questão jurídica e tributária e também os processos. Na questão das lideranças, sempre é necessário uma preparação e etapas para se assumir alguma liderança, para que não ocorram surpresas ou mudanças muito drásticas.

Na questão jurídica e tributária tem que se analisar qual é o melhor formato, pois muitas vezes a escolha errada do formato jurídico, pode ser um empecilho para as possibilidades de negócios futuros. Na questão de processos, é necessário um roteiro de tudo o que é realizado na rede, desde a negociação, a entrada de novos associados e as ações de marketing, para que quando ocorrer a troca de gestores, este mudança possa fluir de modo mais tranquilo.

Enfim o ideal para uma rede ou Central de Negócios é que ela seja uma união de boas práticas, para poder servir de exemplo para toda a rede e melhorar os negócios. A possibilidade de ganhos de uma rede não é somente pelas negociações de compras, aonde há um poder de mercado e ganho de escala, mas também é possível se ter ganhos com a aprendizagem e inovação, através do compartilhamento de idéias e experiências entre os associados, pela redução de custos, com o compartilhamento de experiências técnicas e empreendimentos de ações conjuntas que permitam a manutenção e o gerenciamento da estrutura da rede e de seus serviços tercerizados, como escritório contábil e jurídico, agência de publicidade, manutenção, entre outros.

Uma outra possibilidade de ganhos é através da ampliação de serviços, produtos e infraestrutura para o crescimento de seus associados, como produtos de marca própria, frota para logística, garantia de crédito, identificação de oportunidades e ameaças de mercado, sede própria, entre outros.

Atualmente identificamos que muitas redes não utilizam em sua plenitude a ferramenta de processos para melhorar suas operações. Nas redes de nível básico, por exemplo, as ferramentas das rotinas de marketing, expansão e negociação são pouco exploradas, e, mesmo nas redes avançadas, as ferramentas de integração entre os associados poderiam ser melhor utilizadas.

Com a melhoria dos processos é possível reduzir ou eliminar a maior parte dos problemas enfrentados pelas redes que são: baixa escala de compras, processo decisório lento, reduzida aderência as compras conjuntas e ações promocionais, sistema de informações inconsistente, pouca participação e comprometimento dos associados, Interesses pessoais sobrepondo os interesses coletivos.

Concluindo, uma gestão eficiente apoiada em um planejamento estratégico fará com que as redes ou centrais de negócios alcancem seus objetivos e tenham sucesso.

Top